29.1.09




Um novo amor pode surgir a qualquer momento. Pode estar logo ao seu lado e você nem notar. Pode estar do outro lado da rua, no ponto de ônibus fazendo sinal. Pode estar dizendo boa tarde a você na padaria. Pode ser o seu melhor amigo, o seu pior inimigo, até mesmo um amigo que você sequer conhece. Talvez seja quem você sempre jurou que não ia desejar.
Porém como não é possível mandar no coração não da pra escolher. Então começamos a sorrir a toa, e sonhar e imaginar. Tentar fazer um sonho realidade e uma vontade a verdade mais pura. Ouvir músicas romanticas que lhe tragam a paz de espírito que se tem quando perto da pessoa amada... Músicas que transmitem o que o seu coração sente e você, um tolo apaixonado e inseguro, não consegue descrever. Apenas tenta se expressar sem palavras, rogando aos céus que aquela pessoa, aqueles olhos, aquela boca, sejam apenas seus. Muitas vezes suplicando até com lágrimas...
Embora nem sempre os desejos sejam ouvidos, continuam fortes e inevitáveis dentro do peito e lutam pra poder gritar. Entretanto os nosso próprios ouvidos se fecham pra aquilo que o nosso coração diz. E mais tarde a nossa insana mente, cisma que os outros deviam perceber o que dizemos sem palavras mesmo quando negamos para nós mesmos.
Então, acabamos magoados com todas as nossas carências mal resolvidas e proibidas vontades. Começamos a nos ver desmerecedores do amor, inclusive o amor próprio. Nos banimos de toda e qualquer demonstração de amor, felicidade. Criamos barreiras altas até para nós mesmos nas pontas dos pés. E mais tarde nos arrependemos pois o desamor não nos deixa ver saída alguma.
Contudo, o nosso coração é teimoso e forte. Assim, como criança. Recebe um, dois, cinco, dez avisos. Fica de castigo, sozinho e continua se machucando, sofrendo, indo a luta. Porque afinal, lá no fundo, ele acredita que a gente não só merece, mas também que é possível sim, ser todo dia um pouco mais feliz...

Ando à procura de espaço
para o desenho da vida.
Em números me embaraço
e perco sempre a medida.
Se penso encontrar saída,
em vez de abrir um compasso,
protejo-te num abraço
e gero uma despedida.

Se volto sobre o meu passo,
é já distância perdida.

Meu coração, coisa de aço,
começa a achar um cansaço
esta procura de espaço
para o desenho da vida.
Já por exausta e descrida
não me animo a um breve traço:
- saudosa do que não faço,
- do que faço, arrependida.

Cecília Meireles

22.1.09

Chorei



Chorei ouvindo música.
Chorei lendo livro, revista e até panfleto.
Chorei trocando de canal.
Chorei lembrando uma pessoa, um lugar.
Chorei quando me senti sozinha.
Chorei quando me machuquei.
Quando tomei um susto e fiquei preocupada.
Chorei sem ninguém ver.
Chorei quando me fizeram cosquinha e eles não entenderam.
Chorei quando tive que mudar.
Chorei quando tentei ser igual.
Chorei quando queria brincar e não podia.
Chorei quando senti saudade.
Chorei por um amor.
Chorei quando não tinha quem amar.
Chorei quando desejei o que não podia ter.
Chorei quando sonhei alto demais.
Chorei quando fingi que não estava nem ai.
Quando tudo pareceu sem saída, sem razão.
Chorei sem pensar porque.
Chorei de frio.
Chorei de angústia.
Chorei quando não entenderam o que eu disse.
Chorei quando pensei que iam dar valor e não deram.
Chorei quando escrevi.
Chorei no banheiro sentada no chão.
Chorei na janela da cozinha.
Chorei na frente do computador até soluçar.
Chorei no carro fingindo que estava dormindo.
Chorei imaginando.
Chorei implorando.
Chorei até pegar no sono.
Chorei de emoção.
Chorei com um sentimento.
Chorei.

E continuo chorando, e sofrendo e lutando.
A diferença é que hoje em dia, também choro de alegria...

"Pra que chorar
Pra que sofrer
Se há sempre um novo amor
Em cada novo amanhecer"

Vinícius de Moraes

18.1.09




Já não me falta um pedaço. Parece que tudo se completou sem a menor das intenções. Os sentimentos endurecidos, amoleceram dentro de mim. O coração já todo cortado, maltradado, voltou a amar... A amar as flores, as borboletas, os passarinhos.
Voltou a amar os sorisos, os abraços, os amigos, as canções. As verdades, as vontades, os desejos e os medos. Apesar de ter perdido o que parecia tudo, e ter ficado quase sozinho, continua vivo. E por fim notou que nem tudo que parecia tudo, era de fato, tudo. E que na verdade, aquilo que não parece nada, na maior parte das vezes é o que te faz seguir em frente e esquecer o passado. Deixar pra tras todas as dores e todas as decepções. Apenas sorrir e se jogar. Pular nos braços dos outros sem medo de cair. Apenas tomar um café quente apreciando as outras mesas e os olhares ao seu redor. Enfim, eu aprendi que viver não é apenas respirar. Nem é só sentir. Mas sim muitas vezes só observar, sem interagir, e notar que nem todas as coisas ruim, vão conseguir te derrubar...

16.1.09




Respire fundo... Ouça um barulho sem se preocupar. Escute uma música e sinta a melodia. Caminhe sem fazer barulho. Sinta o vento bater em cada parte do seu corpo. Deixe a sua imaginação te dominar. Sorria. Não se importe em deixar os seus dedos correrem com uma idéia. Não segure as frases na sua cabeça. Não se prenda aos atos da sociedade. Não deixe que te usem conforme querem. Ouça um amigo, ajude. Defenda os seus ideais.
Corra até não conseguir ficar de pé. Toque até seus dedos ficarem dormentes. Respire até seus pulmões não aguentarem mais o ar. Deixe seu corpo cair na grama e se sujar de terra. Escute os passarinhos. Deslize os dedos por um lugar empoeirado. Encare os seus medos. Coma uma fruta. Descreva o que você mais ama. Deixe seus sentimentos fluirem. Fale com os olhos. Balance os cabelos até embaraçarem. Ame sem movito algum. Experimente sem ninguém pedir. Chore por um amigo. Pule em cima da cama. Mergulhe sem pegar ar. Explique o que te faz feliz.
Não espere um data festiva para dar um presente. Não aguarde seu aniversário para dar uma festa. Não espere ficar no fundo do poço para pedir ajuda. Não deixe a noite chegar para admirar o sol. Não aguarde a ida de um amigo para lembrar o que ele já fez por você. Não deixe o natal chegar para ser solidário. Não espere o fim do ano para querer fazer tudo novo. Por fim, não espere a morte aparecer para então dizer o quanto você ama viver...

10.1.09

"É a solidão que inspira os poetas, cria os artistas e anima o gênio."
(Henri Lacordaire)

E se o grande amor da sua vida partisse agora da sua mente? Se ele se perdesse e não soubesse mais voltar? Se você ainda tentasse ir atras e encontra-lo e não conseguisse? E se ele não fosse mais visivel? E se tudo que você acreditava sumisse sem dar explicação? Se cada uma das noites em que você perdeu o sono chorando perdesse o sentido?
E se afinal, tudo enfim fizesse sentido e você conseguisse entender cada um dos atos que pareceram erros e cada um dos acertos que na verdade não foram tão certos assim?
Talvez seja isso mesmo que precisamos. Perder um amor de vez em quando. Não por ele te trocar, não saber que você existe ou algo assim. Mas sim por ele mesmo ir embora sem a gente nem sentir. E quem sabe, ganhar alguém que preencha esse vazio mas sem ser necessariamente um novo amor.
Às vezes o nosso coração só precisa de alguém pra ser sincero e poder ser amigo sem hora marcada. Sem vontades e deveres estabelidos. Sendo somente expontâneo e contagiante. Aconchegando-se sem compromisso e até quem sabe, bem espaçoso. Daqueles que a gente tem q pedir mais de uma vez pra chegar pra lá. Mas que afinal, faria uma falta excessiva se apenas fosse mais um organizadinho e ocupasse um espaço igual ao de todo mundo.
Afinal só poderiamos mesmo aceitar as mudanças sem querer que o passado fique preso a uma corrente sendo sempre o nosso presente. Temos mesmo que deixar ele ir, correr.. E levar embora cada uma das nossas angústias duvidosas e sem motivos. Então, depois iriamos agradecer por cada um dos novos corações que nos conquistou e nos fez sentir bem. Cada um que ouviu as nossas queixas e nos deixou chorar e sorrir sem precisar de explicações...

8.1.09





Não sei bem o certo, se é só ilusão, se é você já perto, se é intuição...


E o que a gente faz quando não tem idéia do que fazer? E se os nossos olhos rodam por um longo tempo, se reviram e suplicam e imploram, mas a nossa mente finge não entender? Quantas vezes seus sentidos se aguçaram e disseram pra voltar? Dar dois passos para tras, apenas isso, e retornar. Quantas vezes, os ciúmes, nem tão fortes nem tão grandes, quiseram gritar? Mas seus lábios, comprimidos, o impediram de falar... Quantas vezes seu coração uma atitude sonhou, planejou? Mas sua mente fingiu não ouvir e o abandonou... Quantas vezes os seus braços quiseram se estender, se aconchegar? Mas as condições o impediram de continuar... Quantas vezes os seus dedos, um rosto, cabelos, procuraram com fervor? Mas as duvidas não deixaram transparecer seu amor... E de fato quantas vezes realmente você quis só imaginar? Mas o dia-a-dia, a correria, não o deixaram sequer respirar...

"Saudade é quando o momento tenta fugir da lembrança pra acontecer de novo e não consegue..."

Não há nada que possa resumir uma saudade. Um desejo. Um sorriso. Alguns sentimentos e aspirações simplesmente não tem tradução e, por isso mesmo, nem nome. Aquela pessoa especial que você não sabe se é uma paixão, um amor ou um grande amigo, não tem uma definição específica na sua mente e fica vagando sem rumo.Então acabamos com a "saudade" no peito, gritando em silêncio. E todos os dias que abrimos os olhos parece que ela sempre está em um lugar diferente. Mas é só começar a lembrar e ficamos com a afável impressão que ela realmente tem algo especial que chama nossa atenção e nos deixa assim... parvos. E cada pensamento desses nos carcome a alma e parece que deixa um buraco. Um buraco que contraria as leis da biologia e só dói de fato quando parece que tudo está muito longe e intocável. E tudo que se quer é ter um meio de voltar no passado ou avançar no futuro. Porém como tal "milagre" não existe, nos conformamos em matar o pobre tempo [num paradoxo até engraçado, porque afinal, é ele quem nos mata] e vermos se conseguimos chegar ao tão esperado momento. E quando ele chega, queremos que tudo vá bem devagar, pra mais tarde, quando tiver que acabar numa hora qualquer, volte a correr só pra chegar de novo os momentos que anseamos. Afinal, o que não faz uma saudade...

"Há momentos na vida em que sentimos tanto a falta de alguém que o que mais queremos é tirar esta pessoa de nossos sonhos e abraçá-la."

5.1.09




Quero fazer da minha vida um filme. E que eu seja a protagonista. E que tenha um anti-herói. E tenha também uma disputa por qualquer coisa não muito importante. Quero olhares fofos e que às vezes causam confusão com uma denúncia ou outra dos sentimentos que nem sempre temos. Quero poder dar um abraço apertado e ficar assim por um tempo sem precisar dizer nada.
Quero uma preocupação com os meus passatempos. Quero um sorriso especial com as linhas sentimentais e melosas que saem das pontas dos meus dedos. Quero um beijo no rosto sem preocupação e sem importância pros outros. Um suspiro longo e sincero por uma saudade ou um desejo.
Quero poder só olhar sem precisar dizer nada além do que os meus olhos conseguem transmitir. Quero reparar no formato das mãos e como os dedos se movem. Reparar nas linhas de expressão e em como os olhos se fecham numa gargalhada. Ter na mente cada gesto e jeito de falar sincero. Sentir que faria alguém tomar toda a coragem que tem e não se importar com o que diriam.
Me jogar sem medo de cair. Sorrir sem medo de entender. Abraçar sem medo de sentir. Cheirar sem medo de conhecer. Tocar sem medo de errar. Viver, sem medo de sonhar...

Ps: A trilha sonora só precisaria dessa música... -> Clica!!! [Teddy Geiger - For You I Will]