30.11.08



"Sonhar
Mais um sonho impossível
Lutar
Quando é fácil ceder
Vencer
O inimigo invencível
Negar
Quando a regra é vender
Sofrer
A tortura implacável
Romper
A incabível prisão
Voar
Num limite improvável
Tocar
O inacessível chão(...)"

A dificuldade de lutar pela vida nos da a idéia de que é mais fácil desistir... Tantos foram os erros, dores e feridas que marcaram as tentativas para não cair... E numa incrível antítese, nós lutamos arduamente pela paz, lutamos pra ter um amor e, quando ele surge, não o queremos mais. Procuramos afeto, vontade e disposição, mas nem sempre achamos isso tudo no nosso próprio coração. Passa-se a procurar, olhar, sofrer. Quando o necessário está tão perto de você. Paradoxo. Fundir os pés na grama alta enquanto o vento grita do sul. Sentir a brisa, úmida, gelada e observar o longo e distante céu azul... Na letra de música ver a mente voar, um abraço, um carinho, tudo que nos possa incentivar. Uma lágrima viva pra restaurar a emoção. Uma vontade perdida que dói mais que uma paixão. Uma morte enfim, pra no final, ser mais feliz...

26.11.08




"A partir de amanhã
Eu vou discutir
Da próxima vez
Eu vou questionar
Na segunda eu começo a agir
Só mais duas horas
Pra eu decidir..."

Final de ano chega e sempre vem junto as milhões de promessas de novas atitudes e não aceitação de tudo. A determinação e a vontade de fazer uma coisa diferente. De fato, tudo isso é meio verdade. Afinal, as vontades chegam e dominam tudo, o único problema é o tempo. Porque o tempo passa rápido demais e a nossa empolgação vai embora junto. Toda aquela expectativa de seguir adiante com novas idéias e novos rumos, vai ficar pro próximo ano. Porém, já que estamos só no começo dessa fase, vamos aproveitar.
Novos amores, amigos, confidentes, segredistas. Tudo do bom e do melhor. E nada mais de contar pra aquele tipo de menina que você comprou um casaco novo, porque ela comprou cinco. Nem de ser totalmente fofa, meiga e carinhosa, pra não causar mal entendido. Também não pode ser muito desligada e nem ai pra ninguém, porque pode acabar afastando todos.
Não esquecendo dos presentes e dos cartões. Das lembrancinhas, dos cumprimentos, dos scraps, e-mails, e até recadinhos na geladeira. E temos sempre que desejar um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo. Como todo ano.
Enfim, vamos viver mais um fim de ano quase reciclado do ano passado. Todas as mesmas atitudes e todos com o "espírito natalino"(que eu prefiro chamar de obrigação social) fluindo em suas veias. Mais um ano sendo consumidores loucos e compartilhando a ceia do dia 25 e 31 com todos aqueles que nós amamos. Ou talvez não...

"Pense, fale, compre, beba
Leia, vote, não se esqueça
Use, seja, ouça, diga
Tenha, more, gaste e viva..."

24.11.08



Mais um ano se passou
E nem sequer ouvi falar seu nome, a lua e eu
Caminhando pela estrada
Eu olho em volta e só vejo pegadas
Mas não são as suas eu sei,
Eu sei, eu sei
O vento faz eu lembrar você
As folhas caem mortas como eu
Quando olho no espelho
Estou ficando velho e acabado
Procuro encontrar
não sei onde está você
Você você....
o Vento faz eu lembrar você
As folhas caem mortas como eu...
A lua e eu...

Só mesmo pra marcar... Porque essa música me lembra muita coisa...

9.11.08


Cheiro de asfalto molhado...

Perseguição. É a única palavra que eu acho pra definir o que aconteceu nos últimos dias. Chovendo sempre, aquela chuvinha fina... E sempre que eu passava na rua indo pra casa depois do curso, aquele cheiro forte de asfalto molhado. "Oh grande coisa. Dãr". Ta, agora vem a parte esquisita. Cada vez que eu sinto cheiro de chuva e asfalto eu lembro de TANTA coisa. A casa em que eu morava com a vó. As tardinhas brincando no quintal e caindo com o copo de vidro cheinho de pessego no chão. Lembro da cadeirinha de madeira que ficava na sala. Da minha mesinha na cozinha. Lembro do moedor de carne! Lembro da toalha molhada da Hello Kitty em cima da cama da mãe. Do ar condicionado. Da janela da sala. Lembro do corredor e da portinha que ia pra casa da tia Lúcia, minha babá.
Depois as memórias se apagam e rotomam em um ponto esquisito da vida... No sítio em xerém, com as amigas, amigos, conhecidos... Dos banhos de piscina debaixo de chuva forte e do toboágua super forte pelas gotas d'agua. Da piscina que ficou sem reflexo pela neblina da chuva.
Lembro da viagem com os amigos e da sala, do jogo de mímica. Lembro que quase morri nas pedras em búzios depois de escorregar muito feio. Lembro de correr em volta da casa e das fotos no quintal. Lembro da rua das Pedras e da carmem miranda que não dançava. Lembro do paintball que não rolou e das conversas aleatóreas na pizzaria.
Então, lembro de cabo frio, e do sofá, e da chuva de granizo. Lembro do banho de piscina que acabou pela chuva e a mãe gritando pra eu entrar. Lembro do mergulho sem perder o fôlego e da mangueira que limpava a piscina prendendo no pé. Do cheiro de maresia na praia, do chinelo cheio de areia. Da conversa mais supreendente, da vontade mais maluca. Das fotos que só ficaram na memória. Lembro... Lembro...
Afinal, acho que é assim mesmo... A gente tem as melhores sensações quando não espera e os melhores sentimentos quando não se planeja. Talvez, seja isso que nos faz diferentes e mais, ou menos, sensíveis. Talvez seja isso a vida. Então... vamos vivendo...