28.6.10


Deixe correr os dedos
deixe bater o coração
a alma fala mais alto
mais claro, mais firme

Deixe que chegue a saudade
Deixe sofrer correr as lágrimas
O coração se engana
Mas cada sensação é única

Deixe que sonhe
Deixe que cante
Se deixe estar, abrace
Amanhã é muito longe

Agora

Nada de idéias férteis
Nade de poemas agitados
Afinal prefiro só saber que
Te fiz sorrir, de algum jeito
Nem que seja tenha sido só por
                            [um minuto

L.M.


As verdades saem da alma, dos olhos, das mãos...



Mesmo que ninguém nunca fique sabendo dessas verdades...



Basta que nós saibamos

Porque nos serão eternamente




únicas...

21.6.10

Melancolia



Em suspiros vai minh'alma
Escapa aos dedos, nua e fria...
Saudade quando havia calma
E meu coração, um músculo, batia...

Em cada estrela calma e alvadia;
Em cada esguia, trêmula e fresca palma,
Sinto fugir como se fosse água fria
Todo o canto que tanto me acalma...

O ar que falta nos meus pulmões
Dá vida a minha infelicidade
E mata aos poucos a minha alegria...

Ouvir no pulsar dos corações,
No vago ecoar da liberdade
O vão riso da melancolia...

L.M. & T. SaVeL S.

18.6.10

"É a solidão que inspira os poetas, cria os artistas e anima o gênio."


Vontade de menina

Pequenos pés roxos cambaleam
com o vestido vermelho a acompanhar
Os loiros cabelos se assemelham
a longos fios d'ouro ao luar

A boca tão rosada brilha na pele crua
A pequena estatura tanta atenção chama
Olhos molhados mostram imensa amargura
enquando ela aponta, chora e clama

De longe, não vejo o que pede sua mão
Apenas observo quando ela da um passo
e assim, surge em sua frente de supetão
duas longas pernas causando estardalhaço

Se encolhe então tomada pela mão a força
anda tropeçando, enquanto soluça e chora
Faz com que seu pequeno corpo se retorça
e ela esperneia, grita e então, vai embora

L.M.




Ouvindo tão quedo da tua figura

 Ouvindo tão quedo da tua figura
Palavras doces que em mim floresciam
Relaxo e respiro da tua brandura
Os quentes aromas que me arrepiam

Sopra palavras a boca que fito
Guardo em suspiros a alegria minha
E cada palavra sua em mim se aninha
Quão alvas flores em mi'alma de granito

E eu, imóvel e envolto em sua fala
Nada além ouço, pois tudo se cala
E também medita as palavras suas

Deixo portanto tua voz me embair
E cada palavra tua me despir
Fazendo enxergares minh'alma nua...


L.M. & T. Savel S.
 Teu perfume em meus braços...

Todo cheiro vira saudade
Todo gosto vira esperança
Todo sonho vira vontade
Todo toque vira lembrança

Toda saudade vira agonia
Toda esperança vira imagem
Toda vontade vira euforia
Toda lembrança vira viagem

Toda agonia vira vertigem
Toda imagem vira devaneio
Toda euforia vira origem
Toda viagem vira anseio

E nesse eterno e longo caminho
De vira pra ca, de vira pra lá
Não estamos nunca sozinhos
Vem o coração nos acompanhar...
L.M.

No metrô




Mais um degrau fica pra trás...

E os calcanhares batem com força
tentando segurar o tempo que foge
como se fosse possível não acabar.

Cada passo diminui a distancia do fim...
Cada passo aumenta a distancia dos teus braços...
Cada passo...

E resiste o corpo, resiste a alma...
E lá vai a razão frente aos sentimentos

tomando partido pra que não se faça uma loucura...

Loucura...

E há alguma sanidade quando se fala em amar?

L.M.