25.1.10



Eu nunca vou esquecer. Não foi uma frase solta no ar. Foi uma promessa pro meu coração.Eu guardei em cada canto da minha alma um pedaço deles. E dei um pedaço de mim. Por isso eu já não sei mais quanto de mim sobrou, não lembro quanto me doei. Queria que eles lembrassem, mesmo sabendo que não lembram. Mas não me importa, eu nunca vou esquecer.

Cada palavra ficou gravada no meu ser. Os seus olhos, seus jeitos de falar. Suas mãos. Eu lembro de cada detalhe, de cada ruga, de cada marca. Tenho um filme na minha cabeça que tem um começo, mas ainda não tem fim. O som da risada deles ainda ecoa nos meus ouvidos. Queria que eles lembrassem, mesmo sabendo que não lembram. Mas não me importa, eu nunca vou esquecer.

A letra deles, como seguravam uma caneta. O brilho nos olhos com uma carta, um abraço, um beijo. As palavras que me lembravam eles, os poemas e confisões que fiz por meu próprio eu. Como as horas de diálogo foram importantes, as verdades ditas. Queria que eles lembrassem, mesmo sabendo que não lembram. Mas não me importa, eu nunca vou esquecer.

Os presentes, até os que só ficaram na imaginação. As músicas que embalaram meus sonhos e pensamentos. Cada melodia que me recordava deles, e dos seus preciosos corações. A importância que dei a cada momento, cada fração de segundo. Queria que eles lembrassem, mesmo sabendo que não lembram. Mas não me importa, eu nunca vou esquecer.

Estar com eles foi uma vontade ardida que queimou por dentro e molhou os olhos. Um sentimento de perda do futuro. Um presente que só fica no passado, uma dádiva que aparece nas memórias. Seus rostos sempre ficarão marcados na minha existência, sempre serão lembrados. Queria que eles lembrassem, mesmo sabendo que não lembram. Mas não me importa, eu nunca vou esquecer.

Eu nunca vou esquecer. Não foi uma frase solta no ar. Foi um grito desesperado da saudade. Mesmo que cada carta se rasgue, que cada e-mail seja deletado, que cada música desapareça. Afinal, não preciso de algo que me lembre eles. Nem de nada que me traga a memória os bons momentos. E eu queria que eles lembrassem, mesmo sabendo que não lembram. Mas não me importa, eu nunca vou esquecer porque, pra lembrar deles, basta respirar...