26.9.09

Eu. Que nunca sou

Estou sufocando aos poucos
Por dentro, por fora, até não dar mais
meus pensamentos saem roucos
e falo como quem perdeu toda a paz

Meus olhos se encheram daquela sensação
minha mente novamente se tumultuou,
e num minuto, eu perdi toda a razão
que desde sempre me acompanhou...


Ao sentir pulsar cada veia
eu vejo que me tornei dependente
de cada sorriso seu que desenfreia
uma vontade mais que confidente

E assim, eu vou existindo aos poucos
Sufocando e pedindo por mais
Num turbilhão de pensamentos roucos
Numa agonia sem a menor paz...

5 comentários:

Angela disse...

poetisa nata ;)))
quero ver uma em japonês! xDDD
beijos =***

Rodrigo disse...

Nossa...
Gostei do poema, muito bonito.
Parabéns ;)
Beijão gaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaata!

Jenny disse...

Tô te seguindo.

ninguém interessante disse...

tá apaixonada? :)

Ingrid disse...

não acho que não necessariamenteesteja apaixonada....
amo vc amiga!!!